sexta-feira, 11 de março de 2016

Conectividade e Interatividade





Conectividade e Interatividade
(Gleidson Melo)

No entendimento de que a educação constitui um conjunto de ações que ocorrem em um ambiente de ensino-aprendizagem, no qual o valor maior é o conhecimento, tudo é permeado pela troca de saberes de forma mediadora e que possa contribuir para uma formação cidadã.

  Surge então, com o novo cenário tecnológico, a Educação a Distância (EAD), favorecida pelo acesso às novas tecnologias, adventos, principalmente da informática e do acesso à internet. Assim, o aperfeiçoamento de novas metodologias inova o processo de construção do conhecimento. Desta forma, torna-se clara a quebra de mais um paradigma da educação, onde o limite de abrangência que se pretende atingir com essa nova modalidade de ensino, vai depender do grau de conhecimento que se pretende atingir e do desejo e da satisfação de aprender. Tudo isso, mediado de forma dinâmica e com autonomia. Na EAD, a distância e a adaptação às metodologias criativas e inovadoras são os fatores que se devem levar em consideração no processo de construção do conhecimento.

   Os pontos comuns a serem considerados entre EAD e educação presencial residem no desejo de aprender e de mediar o conhecimento através da interação entre professor-aluno, aluno-professor e com a turma de formação.

    Através da conectividade e interatividade é possível unir pessoas e buscar formas inovadoras na busca de soluções e construção do conhecimento. Estar distante não pode significar estar alheio ao processo de formação e aprendizagem. É necessária a participação de todos, que buscam na Educação a Distância (EAD) uma alternativa inovadora e promissora.

    Certamente, a distância física não impede a aproximação e a troca de conhecimento. A aprendizagem pode ocorrer de forma positiva e com pressupostos metodológicos capazes de aproximar pessoas e consolidar conhecimentos. Assim, a construção da cidadania no processo de ensino-aprendizagem deve acontecer de forma dinâmica e contínua, abrangendo todas as modalidades de ensino. 

Já é uma realidade que essa formatação de conhecimento venha conquistando cada vez mais espaço - nas mais variadas áreas do conhecimento - e ganhando destaque e avançando cada vez mais nos graus de formação, no Brasil e no mundo. Isso se deve ao fato da evolução tecnológica e pela oportunidade do acesso e uso das novas tecnologias utilizadas na Educação a Distância (EAD). 

  Assim, a EAD pode exercer um papel essencial na apropriação do conhecimento, do saber e do fazer, de modo a garantir uma formação cidadã e digna, que mereça respeito e que seja de transformação, crescimento e inovação. 

     Todavia, possa contribuir para a abertura de novas oportunidades de aprendizagem e formação nas mais diversas áreas do conhecimento.

Certamente, ainda existe muita resistência quanto à aceitação dessa modalidade de ensino, tanto por parte de futuros alunos, quanto por questões sociais, econômicas e políticas, frutos da globalização e do capitalismo. No entanto, ainda há uma necessidade de que seja dada maior ênfase no processo de divulgação e da criação de novos recursos que possibilitem estimular as pessoas a darem maior crédito para os cursos a distância. Por exemplo, incluir na grade curricular dos cursos de formação (médio e superior) disciplinas em módulos EAD, necessárias ao processo de formação.

     O acesso orientado por um tutor (mediador do conhecimento) às mais variadas fontes, quase que inesgotáveis de conhecimento, pode contribuir e servir de estímulo aos alunos em seus Ambientes Virtuais de Aprendizagem, tais como, museus, bibliotecas públicas, e-livros, revistas científicas e muitas outras fontes fidedignas de informações e conhecimento

A popularização e a ampliação da internet para abertura de novas formas de comunicação, e as facilidades de aquisição e adaptação às novas tecnologias da informática e comunicações, têm contribuído consideravelmente para a evolução do ensino no Brasil e no mundo.

   A década de 90 tornou-se um marco inicial para que essas novas tecnologias incorporassem como ferramentas de pesquisas de excelência. Logo, a Educação a Distância (EAD) passou a ganhar força e destaque no Brasil. Com a aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96) foi reconhecido o ensino à distância e foram aprimoradas metodologias específicas e a criação de diversos ambientes virtuais de aprendizagem.

   Novas fronteiras do conhecimento puderam surgir e tornar o ambiente virtual de aprendizagem um espaço cada vez mais democrático e consolidado aos preceitos de qualidade em educação. Tudo representado por inovações e desafios, frente às diversidades culturais e adversidades sociais, econômicas e políticas do país.

 Imagem: wix.com

Disponível no site Enseada dos Pensamentos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte-me algo sobre a postagem