sábado, 23 de janeiro de 2016

O Catador de Caranguejos


 O Catador de Caranguejos
(Gleidson Melo)


Da lama ao prato. Assim, na ótica do catador resumia-se a vida do caranguejo. Madrugada, quase manhãzinha e lá se foi o homem em busca do alimento. Insólito, espreitou e aguardou por mais um dia de sucesso.

A caçada não parecia muito fácil, mas o homem insistiu, buscou, cansou e trouxe a refeição da família. E todos os dias ele imaginava uma vida melhor, que ao menos pudesse garantir um futuro próspero e digno para a esposa e filhos. Eles viviam numa casa pequena às margens do rio. Porém, com dignidade, educação e respeito ao próximo, podiam tocar a vida em frente.

Certo dia eu parti, rumo às palafitas da maré do Recife, e conheci o seu Ziraldo, o Senhor dos Caranguejos. Inicialmente, fui muito bem recebido e a chegada em sua moradia construída às margens do Rio das Salinas se tornou agradável, pois sua modesta família me recebeu muito bem.

- Olá, boa tarde, quase boa noite!

- O meu nome é Olavo. Sou ambientalista e por causa da dedicação do seu Ziraldo com os caranguejos, cheguei até aqui para conhecê-lo melhor.

- O prazer é todo nosso. Confirmou dona Bernadete, a sua esposa.
- Entre e sente-se.

- Aguarde um instante.

- Aguardarei. Muito obrigado!

Sufocado na lama, seu Ziraldo acreditava que tudo podia mudar para melhor. Com o pensamento de prosperidade matriculou os dois filhos, Hamilton e Cleiton, na escola do bairro. As idades dos meninos giravam em torno de dez e doze anos.

Felizes e com espírito de meninice, os garotos brincavam e corriam por entre as tábuas que ligavam uma moradia a outra. Eram verdadeiras ruas, nas quais os menores vacilos poderiam custar um belo banho de maré.

Muito curioso perguntei ao seu Ziraldo:

- O senhor pode explicar como são esses tais caranguejos?

E o homem respondeu sem pestanejar:

- São maravilhosos bichos de olhos esquisitos, que mais parecem antenas.

- As suas patas são em formato de pinças e servem para pegar o alimento, enquanto o corpo possui uma carcaça dura e resistente.

- Quando sentem a presença da gente, escondem-se nos buracos sombrios e cheios de lama do mangue.

- Então, seu Ziraldo, no mangue a vida acontece e a vegetação mistura-se com o sal, e o sal da água mistura-se com a água da maré.

- Verdade, no mangue tem muita vida, meu jovem rapaz.

- Isso mesmo, senhor Ziraldo, as raízes são verdadeiros respiradouros que absorvem o ar puro da natureza, enquanto as sementes flutuam na água e garantem a reprodução dos peixes e aves que chegam naquele lugar.

A conversava com o Senhor dos Caranguejos se estendia e a noite tornava-se cada vez curta. Dizem que tempo é ouro e realmente, não dava para se jogar conversa fora.

A esposa não ligava muito para as travessuras dos filhos, talvez devesse ao fato de ter sido criada naquele meio de becos interessantes. Dava para perceber um ar de harmonia e tranquilidade no rosto castigado pelo sol.

Dona Bernadete apelava para que os garotos parassem com as brincadeiras de pega-pega e entrassem para dormir e descansarem da deliciosa jornada infantil:

- Meninos, entrem amanhã tem aula.

- Rapidinho, mamãe, espera mais um pouco. Respondeu Cleiton, o que aparentava ser o filho mais velho.

Em seguida, os moleques tomaram banho e foram para as suas camas, num cubículo apertado da casa.

Continuei a dar explicações sobre o assunto:

- Seu Ziraldo, os manguezais estendem-se do norte ao sul do país, tudo numa paisagem de beleza espetacular. Desenhado no litoral brasileiro, é o principal local de parada de muitas aves, peixes e de outros animais marinhos que dependem dele para sobreviverem.

- Seu Ziraldo, o senhor sabia que a poluição e a construção desordenada de casas, condomínios e hotéis são as principais causas de destruição e do desaparecimento de muitos manguezais no Brasil?

- Não sabia disso, apenas posso dizer que os bichos têm sumido e cada vez mais está difícil de encontrá-los na lama do manguezal. Respondeu o catador de caranguejos.

- Verdade, seu Ziraldo, cada vez mais, áreas são utilizadas para construções, até mesmo de vias públicas.

- Cuidarei melhor dos caranguejos e somente os catarei para o próprio sustento e da família. Completou seu Ziraldo.

- Muito obrigado, seu Ziraldo, durma em paz!

Palafitas flutuam às margens das águas, onde o Senhor dos Caranguejos repousa em paz. Contudo, diante de tantos impactos ambientais, morreram os caranguejos e a vida do homem escapou por um fio. Da lama do mangue o homem sobrevive – mas, destrói – e dela retira o sustento.

No dia seguinte, confiante e com os braços enterrados na lama, capturou mais um caranguejo, dos poucos que ainda restaram.

Disponível no site Enseada dos Pensamentos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conte-me algo sobre a postagem